30/03/2017

Ascendência nativa americana de Michael Jackson



Nossos antepassados - ​​Por Joe Jackson

O nome Jackson foi recebido por nós de meu bisavô por parte do pai, July Gale. Ninguém o chamava July, todos o chamavam Jack. O avô Jack nasceu na tribo de Choctaw no início do século XIX. Ele era um xamã indígena. E era muito apreciado pelas suas habilidades para medicar. Jack, na sua juventude, também trabalhou como escuteiro no exército dos EUA.

Então o bisavô apaixonou-se por uma boa menina chamada Gina. Em 1838 eles deram à luz seu primeiro filho, um menino que eles chamaram de Israel. Infelizmente no passado era assim, se um dos pais da criança era escravo, a criança também era considerada escravo. Jack indígena, era "uma pessoa livre", mas a minha bisavó, infelizmente, era escrava, É por isso que Israel não podia esperar por qualquer outra coisa, pelo menos por enquanto.

Quando Israel cresceu, as pessoas o apelidaram de Nero. Nero, filho de Jack, e eventualmente a partir disso, transformou-se para Nero Jack-son [Jack-filho]. Assim como meu bisavô, Nero era alto e de pele clara, com maçãs do rosto altas e pequenos olhos cintilantes. E ele tinha muito orgulhoso de si mesmo. Nero ainda era um menino quando Jack começou a transferir-lhe o seu conhecimento xamã. Mas, apesar do seu dom para a medicina e apesar de ser necessário para a tribo, para a aflição de seus pais, Nero foi vendido para uma plantação, em Luisiana, assim como outros escravos, Nero tinha que comer lá e então quando isso foi dito pelos donos - ajoelhado diante de uma vala da qual ele escavou com uma colher. Logo Nero conseguiu escavar o suficiente e fugiu. O proprietário da plantação imediatamente enviou pessoas que procuraram durante toda a noite e pegaram o rápido escravo no rio, a muitos quilómetros de distância da plantação. Eles agrediram Nero de tal forma, que ele perdeu litros de sangue.

Quando alguns meses mais tarde, Nero finalmente se recuperou, o seu dono queria vendê-lo, mas os escravos que anteriormente tinham fugido, eram impossíveis de vender com o mesmo alto preço, então em vez disso, o proprietário de Nero decidiu forçá-lo a trabalhar o máximo possível. O meu avô foi atormentado em campos de algodão do Sul, preso nas mãos e pernas. Uma vez os grilhões foram-lhe removidos, e Nero teve novamente a ousado de fugir. Desta vez, o proprietário da plantação dirigiu ele próprio o grupo de busca e estabeleceu um prémio para aquele que apanhasse Nero. Ele estava com medo de que outros escravos seguissem o seu exemplo se ele não o apanhasse. E quando ele realmente localizou Nero, ele pegou uma tenaz de chaminé aquecida e apertou o seu nariz com ela até que Nero caiu inanimado. Ele deixou o meu avô deitado no chão porque pensou que Nero estava morto. Mas ele era tão forte, que passou também por este castigo terrível! Mas as cicatrizes da queimadura permaneceram com ele até o fim de seus dias.

Durante o tempo que Nero viveu na plantação em Luisiana, ele teve 6 filhos nascidos de sua namorada. Mais tarde casou-se com uma indígena Chostaw - bem, ela era apenas 3/4 indígena - minha avó Emmaline. Provavelmente, a sua vida com a minha avó era uma espécie de refúgio contra as condições de trabalho terríveis, e aqueles que o haviam escravizado, só podiam ter inveja da harmonia do seu casamento e sua vida doméstica. Eles não precisavam de muito dinheiro para serem felizes porque se amavam. Emmaline era de Luisiana, ela era como a mãe dela, a cor de pele ligeiramente amarelada.

Quando o presidente Lincoln libertou os escravos em 31 de Maio de 1865, a situação de Nero melhorou. Por fim, ele poderia ganhar para ter uma vida adequadamente - vender os remédios indígenas . Com o tempo tornou-se famoso porque curou centenas de pessoas. Suas habilidades do feiticeiro tornaram-se amplamente conhecidas, e as pessoas vinham de longe para que ele as ajudasse.

O avô Nero levou uma vida simples e poupou tanto dinheiro, que ele e minha avó conseguiram ter uma fazenda em Sunnyvale em Missisippy. Ele pagou com dinheiro por 120 hectares de terra fértil. Lá Nero e Emmaline tiveram 15 filhos (e ao todo, Nero teve 21 filhos). Meu avô, minha avó e todo o seu enorme clã foram alimentados a partir deste terreno onde eles plantavam milho, tomates, outros vegetais, criavam galinhas, porcos e vacas.

Nero vagava frequentemente pela floresta para colectar gramíneas. De raízes e outras partes, ele fazia caldo, derramava em garrafas e dava para os pacientes beberem, ele fez também unguentos de várias gramíneas da floresta. Com essas coisas ele tratava os indígenas e os antigos escravos, e eles pagaram-lhe com o que podiam.

Nero também gostava de cantar e frequentemente executou antigas danças militares de Chostaw. Uma vez, sábado à noite o xerife e seu povo bloquearam com cordas a rua em que ele dançou, e tentaram prendê-lo por infracção de ordem pública, mas Nero sentiu o perigo. Ele pulou no cavalo, e elegantemente saltou através de um obstáculo e escapou. Depois disso, o xerife o deixou-o em paz.

Quando as crianças de Nero e Emmaline cresceram e criaram as suas próprias famílias, ele convidou os filhos de seu irmão mais novo William para a sua fazenda, entre eles também o meu primo sénior Rufus. Rufus, de certo modo disse-me, que deveria ter dada mais atenção às gramíneas com que o avô tratava as doenças. Mas ele ainda era uma criança e como muitas crianças, não pensou o quão valioso pode ser o conhecimento dos ancestrais.

Quando Rufus tinha 4 anos, a esposa de Nero morreu. Enquanto isso, Nero também se tornava velho e fraco, e como não podia cuidar da fazenda como antes, tinha que comprar algumas coisas de um homem branco chamado Eroy. Ele gastou pequenas quantias de dinheiro, mas o Eroy cuidadosamente conduziu as contas. Rufus ainda era uma criança; A única coisa, que ele notou é que Nero se tornou mais fraco. E isso fez com que Nero entregasse a Eroy, para que ele lhe guardasse, alguns papéis importantes para que pudesse guardá-los por ele. No final, Eroy conseguiu - como Rufus e eu pensámos mais tarde - documentos apropriados com sendo o dono da fazenda, supostamente como pagamentos de dívidas que Nero tinha para com ele.

Foi assim que a nossa família perdeu todos os direitos neste terreno fértil, onde cresceram centenas de pessegueiros e pereiras, que os meus parentes trataram cuidadosamente. Quando mais tarde Rufus e eu descobrimos que lá, debaixo do solo havia enormes campos petrolíferos, simplesmente perdemos o dom da fala, já que o aluguer pelo direito de perfuração já era de 1,2 milhões de dólares. Enquanto isso, o depósito deve custar pelo menos 100 milhões.

Nos últimos anos de sua vida, Nero viveu sozinho na fazenda, porque William e Rufus voltaram para casa. Ele morreu em 1924, muito antes do meu nascimento. Meu pai Samuel, vivia então em Arkansas, onde ele encontrou trabalho, ele descobriu sobre a morte do pai tarde demais e não poderia vir ao funeral. Meu tio Sam chegou de Oklahoma para participar dele, e outro filho do avô, o meu tio Esco também tinha chegado lá. Meu pai era o filho mais novo de Nero. Ele tinha uma irmã gémea Janey D. Hall.

Minha bisavó por parte da mãe - Mattie Daniel. Mattie nasceu em 1864. Sua mãe, deficiente, era a filha do plantador, o pai - o escravo em uma plantação de seu pai. Apesar dos protestos da mãe, Mattie foi vendida para outra família porque o plantador não gostou que seu pai fosse preto. Quando eu era jovem, a história de Mattie me fez pensar. Se eu tivesse filhos, pensei, não abaixaria os olhos deles e não permitiria que ninguém os tirasse de mim.
De qualquer forma, Mattie nunca poderia desfrutar de uma vida de sociedade, como sua mãe. Assim como Nero, meu bisavô por parte da mãe era o escravo recolhendo algodão. Mattie casou-se 2 vezes e teve 17 filhos.

Nero era uma pessoa respeitável devido a habilidades de curandeiro e também porque a ele possuía um terreno, que nesse tempo era incomum para o antigo escravo. Quanto às qualidades empresariais, o meu pai era como ele, ele também era respeitado, principalmente pela boa educação. Samuel estudou 9 anos no Colégio Alcorn no Mississipi e quando tinha 24 anos, ele já era Bacharel e Mestrado, que num limite de séculos era uma raridade para um jovem de minoria.
Samuel Jackson - Avô paterno de Michael

Após os exames finais, descobriu que, em Ashley Country, Arkansas, havia uma vaga para professor. Ele andou 200 km de Mississipi até lá, para participar na competição a esse lugar, e recebeu-o.

Anteriormente, numa província, na escola inicial e superior, apenas um professor ensinava. Professor Jackson como foi nomeado, tinha 2 colegiais especialmente inteligentes para quem ele desde o início tinha prestado atenção - as irmãs King. Uma delas, Chrystal - individualidade brilhante, com um sorriso deslumbrante e risada alta. Quando ela tinha 16 anos, ele casou com ela. Era a minha mãe.
Crystal Lee King Jackson - Avó paterna de Michael

Numa pequena cidade onde eu morava, todos amavam a minha família. Passávamos o nosso tempo livre em casa ou na igreja e visto que o pai era bem educado, os vizinhos o admiravam. E sempre tivemos amigos.


Memórias de Joseph Jackson, no livro intitulado Die Jacksons [Os Jacksons], publicado na Alemanha em 2004 e reeditado em 2009.



Fonte do texto: Jetzi.com


1 comentário:

  1. Mais que história. Família guerreira com um extenso passado😢❤👏👏👏

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...